Ciarte > Publicações >

Conservação e destruição de pinturas dos conventos extintos em Portugal durante o século XIX

< | >
Referência Clara Moura Soares, Rute Massano Rodrigues, António João Cruz, Carla Rego, “Conservação e destruição de pinturas dos conventos extintos em Portugal durante o século XIX”, ECR - Estudos de Conservação e Restauro, 4, 2012, pp. 231-248
Publicação PDF
Resumo Em 1834 foi criado, em Lisboa, o Depósito das Livrarias dos Extintos Conventos com a missão de recolher e distribuir o espólio bibliográfico e artístico removido dos conventos extintos nessa ocasião. Não obstante a intenção de preservação, durante o transporte e o armazenamento muitas pinturas foram danificadas, algumas das quais de forma severa. Em condições difíceis foram tomadas importantes medidas de conservação por José Feliciano de Castilho, mas depois também foram destinadas à destruição obras consideradas sem valor. Logo nos primeiros tempos o Depósito promoveu o restauro de algumas pinturas, dando início a uma actividade em que depois se envolveu também a Academia de Belas-Artes.
Abstract The Deposit of the Libraries of Extinct Monasteries was created in Lisbon in 1834. Its mission was to collect and to distribute books and artistic works removed from the monasteries extinct at that time. Despite the preservation intentions, during transport and storage many pictures have been damaged, some of which with severity. In difficult conditions, important conservation measures were taken by José Feliciano de Castilho, but works considered worthless were also destroyed later. In the beginning, the Deposit promoted the restoration of some paintings, starting an activity in which the Academy of Fine Arts soon after became involved.
Citação RIS