Ciarte > Publicações >

A oficina do artista, ou as relações entre a ciência e a arte a propósito de uma imagem

 
< | >
Referência António João Cruz, “A oficina do artista, ou as relações entre a ciência e a arte a propósito de uma imagem”, Interacções, 3, 2006, pp. 87-101
Publicação HTML | PDF
Resumo A actual imagem do artista, de origem romântica, está associada a inspiração e irracionalidade e, portanto, a sua arte em nada parece estar relacionada com a ciência. Um desenho de Stradanus (1523-1605) que representa a descoberta da pintura a óleo por Jan van Eyck (c.1395-1441) dá conta de uma outra realidade: um pintor, com o estatuto de artífice, a desenvolver a sua actividade numa oficina, de acordo com o estabelecido num minucioso contrato, seguindo os mesmos modelos dos outros pintores, auxiliado por ajudantes que laboriosamente lhe preparam os materiais e o equipamento ou aprendem a desenhar. O prolongado contacto com os materiais de pintura que ocorre neste contexto proporciona um conhecimento empírico dos materiais e das suas propriedades, nomeadamente dos pigmentos e das tintas, que permite o uso racional nas obras que só actualmente pode ser convenientemente explicado. Neste espaço da oficina de pintura, arte e ciência estão intimamente relacionadas. A propósito deste desenho é ainda mencionada a dependência da arte em relação aos desenvolvimentos da ciência e da tecnologia que ao longo da história lhe têm proporcionado os materiais e, por outro lado, a contribuição dada à matemática pela descoberta da perspectiva linear pelos pintores do século XV.
Abstract The current image of the artist, with origin in the Romanticism, is associated with inspiration and irrationality and, therefore, usually it is not visible any relationship between art and science. A drawing of Stradanus (1523-1605) representing the discovery of oil painting by Jan van Eyck (c.1395-1441) shows another reality: a painter, as a craftsman, developing its activity in the workshop, in accordance with a contract, following the same models adopted by other painters, aided by assistants that laboriously prepare him the materials and the equipment or learn how to draw. The prolonged contact with the painting materials that takes place in this context provides empirical knowledge about the materials and their properties, which allows the use of pigments and paints in a rational way that only now can be conveniently explained. In the space of the painting workshop, art and science are deeply related. With regard to that drawing it is still mentioned the art dependence on the scientific and technological developments that, through the history, provided it with its materials and, on the other hand, the contribution given to mathematics with the discovery of the linear perspective by the painters of the 15th century.
Citação RIS
Compra