Ciarte > Publicações >

A pintura de Columbano segundo as suas caixas de tintas e pincéis

< | >
Referência António João Cruz, “A pintura de Columbano segundo as suas caixas de tintas e pincéis”, Conservar Património, 1, 2005, pp. 5-19
Publicação PDF
Resumo Duas caixas de pintura de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), que devem ter sido usadas cerca de 1920, contêm 64 tubos de tinta de um fornecedor inglês (Winsor & Newton) e três franceses (Morin & Janet, C. Bourgès e Lefranc). Há uma muito grande variedade de tintas que correspondem a terras com cores amarelas, vermelhas ou castanhas.Tintas de cor branca, preta ou verde, pelo contrário, há apenas um tipo de cada. Em termos do número de tubos, o ocre, a siena, a úmbria, o branco de chumbo e o azul ultramarino são os pigmentos mais abundantes; o amarelo de cádmio, o betume, o castanho de Van Dyck, o azul de cobalto e o negro de osso são os menos frequentes. Entre as ausências, merece destaque o branco de zinco. De uma forma geral, há uma clara preferência pelos pigmentos tradicionais. Por espectrometria de fluorescência de raios X, foi possível detectar a presença de cargas nalguns tubos. Da mesma forma, verificou-se que uma das tintas identificada como ocre no rótulo, na realidade, corresponde a úmbria. As caixas também contêm 43 pincéis, de uma forma geral muito gastos. Embora se encontre na literatura uma referência ao generalizado mau estado de conservação das pinturas de Columbano derivado do grande uso do betume, essa afirmação não é suportada, nem pelas caixas de pintura, nem pelos processos de conservação do arquivo do Instituto Português de Conservação e Restauro. Pelo contrário, os pigmentos encontrados nestas caixas não fazem prever a ocorrência de significativos problemas de conservação nas pinturas de Columbano.
Abstract Two paintboxes of Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), that were probably used about 1920, contain 64 paint tubes of an English supplier (Winsor & Newton) and three French (Morin & Janet, C. Bourgès and Lefranc).There is a great variety of earths with yellow, red or brown colors. On the contrary, there is just one type of paints of white, black or green color.The most abundant tubes are those of ochre, sienna, umber, lead white and ultramarine blue pigments; the least frequent ones are those of cadmium yellow, bitumen,Van Dyck brown, cobalt blue and bone black.The most important absence is that of zinc white. In general, there is a distinct preference for traditional pigments. By X-rays fluorescence spectrometry, white materials used as fillers were detected in some tubes and it was verified that one of the paints identified in the label as ochre, in reality is umber. The paintboxes also contain 43 brushes, in general very worn. Although it exists in the literature one reference to the poor state of conservation of Columbano’s paintings, resulting from a great use of bitumen, such statement is not supported, neither by the paintboxes, nor by the conservation processes in archive at the Portuguese Institute of Conservation and Restoration. In general, the pigments found in the paintboxes don’t seem to predict significant problems in Columbano’s paintings.
Citação RIS
Compra URL