Ciarte > Conferencias e comunicações >

As cores do Políptico de São Vicente, de Nuno Gonçalves

 
< | >
Comunicação Comunicação oral
Autores José Mendes, António João Cruz, António José Candeias, José Mirão, Maria Luísa Carvalho
Evento 2nd International Workshop Physical and Chemical Analytical Techniques in Cultural Heritage
Local Centro de Física Atómica da Universidade de Lisboa, Lisboa, 5 de Junho de 2012
Notícia URL
Resumo O Políptico de São Vicente de Fora, cuja autoria é atribuída ao pintor Nuno Gonçalves, é considerado a obra mais importante da pintura portuguesa remanescente do séc. XV. Por este motivo tem sido objeto de vários estudos desde a data da sua descoberta há pouco mais de um século. Os materiais constituintes da camada pictórica e a forma como foram feitas as cores foi o que menos se estudou até agora. A única publicação revelando dados sobre esta matéria data de 1974, quando os métodos analíticos disponíveis para o estudo das obras de arte eram bastante limitados, e baseou-se apenas na análise de uma das pinturas do Políptico. Presentemente está em curso um estudo das seis pinturas que constituem o Políptico através de um diversificado conjunto de técnicas mais recentes, especificamente: espectrometria de fluorescência de raios X dispersiva de energia, microscopia electrónica de varrimento com espectrometria de raios X dispersiva de energia acoplada, micro-difractometria de raios X, micro-espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier, cromatografia líquida de alta eficiência e micro-espectroscopia de Raman. Nesta comunicação pretende-se apresentar alguns dos resultados já obtidos sobre os materiais constituintes das cores, bem como a técnica de aplicação dos mesmos.
Publicação Livro de Resumos (PDF)